domingo, 8 de março de 2015

Uma Regata em Buarcos




É sabido que o Mar para mim é uma opção profissional, sou Capitão de Longo Curso, faça embora, de tempos em quando, umas viagens de cabotagem, aliás já aqui narradas.
Uma vez, um amigo, há já uns tempos, convidou-me para fazer parte da sua tripulação numa Regata na baía de Buarcos,  na Figueira da Foz.

Foi uma sensação estranha fazer parte de uma tripulação em que não era eu o comandante, mas Regata não é de facto a minha praia e o veleiro estava bem entregue. Levei no entanto o meu imediato, o sr Bolha, que iria de moço de cozinha, face aos seus méritos com os tachos e caçarolas.

Largamos da Marina da Figueira já perto da hora do almoço, o que fez com que o nosso imediato/moço de cozinha, o sr Bolha, iniciasse logo os preparativos para a refeição, naquele dia um rizoto de bacon e cogumelos que, dizia ele, era uma receita que lhe tinham dado no porto de Nápoles, onde tínhamos feito escala há duas ou três semanas.
Os veleiros evoluíam em manobra da largada, o meu amigo fazia leme, eu auxiliava nos cabos e o moço de cozinha preparava o rizoto para o almoço.
Finalmente a largada foi dada e nós seguíamos, garbosos, para a bóia de barlavento, em bolina cerrada.

Nessa derrota, pela inclinação que levávamos, o sr Bolha entornou, por duas vezes, o rizoto na antepara que separava a cozinha do salão. Gritava como se não houvesse amanhã, queria que colocássemos o veleiro direito para ele poder concluir o rizoto. Ora tal não era possível, sob pena de nos atrasarmos na corrida para a bóia de barlavento.
Mas a terceira desgraça acontecera, pela terceira vez o rizoto, apesar da báscula do fogão, entornara-se pelo chão.

O skipper, face à tragédia que se avizinhava, ficarmos sem almoço, diz através do VHF que íamos parar um pouco a competição para concluir o rizoto e, já agora, almoçar.
O presidente do jurí da Comissão de Regatas era, nem mais nem menos, o Mestre Tobias que, nas suas horas vagas e como hobbie, era júri de Regatas de Vela.
Aproximou-se logo do nosso veleiro, amarrou o barco do júri ao nosso e abotoou-se com o nosso rizoto todo, mais duas garrafinhas de Esteva Tinto 2011 que tínhamos guardadas para a merenda.


Ainda por cima desclassificou-nos, não nos mostrando em parte nenhuma do Regulamento, uma regra que fosse que nos proibisse de comer rizoto numa regata e muito menos o poder de confisco do Comité de Regatas aos rizotos das tripulações em competição,

quarta-feira, 4 de março de 2015

Uma entrada atribulada...




Esta que agora vou contar enche-me de saudade e, ao mesmo tempo, de raiva pelo desfecho, inesperado e quase trágico.
Regressava, em cabotagem, do Douro, com o cargueiro Neptuno, carregado de vinho da Quinta La Rose, de estalo, carregadinho, com rumo a Aveiro, onde o néctar seria transfegado para um graneleiro russo, com destino para aí à Crimeia, ou algo parecido.
O Mar esse estava quilhado, uma nortada rija de Sul levantava vagas de, para aí 5 metros, 2,80 m vá, desencontradas, enxogalhando o navio, o vinho e os nossos estômagos.
Nem a merenda nos soube, uns enchidos de Montalegre que acompanhavam, clandestinamente, uns litritos da carga, que ninguém daria pela sua falta.
A um escassa milha da barra de Aveiro recebemos a seguinte comunicação rádio:
--Aqui Navio da Républica Portuguesa Alvares Cabral, cargueiro a Norte e aproximando-se da barra de Aveiro,  identifique-se.
Era a nossa fragata Alvares Cabral. Estas coisas, da Marinha, inchavam-me o peito.  Estava fundeada a três ou quatro milhas ao largo, Mar Adentro. Chego-me ao VHF.
-- Neptuno a responder, capitão Vasco Moscoso de Aragão,  estamos carregados de vinho nos porões e dirigimo-nos para o Porto de Aveiro.
-- Aqui NRP Alvares Cabral, Neptuno guine a Bombordo.
Eh pá os gajos estão a gozar connosco, se guino a bombordo encalho na praia de São Jacinto. Vou falar com eles
-- Aqui graneleiro Neptuno, não sei se já viram mas, se guino a bombordo,  encalho em São Jacinto….
-- Aqui NRP Alvares Cabral, então passe por nosso estibordo.
Phoenix, os gajos da fragata estão a quatro milhas mar adentro, se lá vamos são mais duas  a três horas com mar quilhado, estando só a 15 minutos da barra. Vou ligar-lhes.
-- Aqui graneleiro Neptuno, eh pá, deixem nos entrar pá, está um mar lixado pá, são dez  da noite pá, queremos ir dormir pá,...
-- Aqui NRP Alvares Cabral, não podem, estamos em exercícios militares e o céu da barra está cheio de helicoteros.
Helicopteros ? ás 10 da noite? Não vejo nenhum. Que se lixe, vamos entrar.
Mandei o imediato Bolha pôr  máquina a toda a força e lá fomos nós, naquela altura a meia milha da barra.
Quem não achou piada nenhuma foi o NRP Alvares Cabral que ameaçou abrir fogo contra o Neptuno e, assim, destruir a preciosa carga que transportávamos, coisa que não podia, de forma nenhuma permitir. Mil vezes a morte que tal sorte (onde já li isto ?), mandar para o sal das ondas do nosso mar uma muito preciosa carga de tinto La Rose.
Sorte nossa, à pesca à bóia no molhe norte da barra de Aveiro, estava o Mestre Tobias, que estava feliz pois já tinha apanhado para aí um quarteirão de robalos e douradas. Munido como sempre do seu VHF portátil e tendo ouvido a conversa entre o Neptuno e o NRP Alvares Cabral,  chamou o comandante da fragata e disse-lhe  ser nosso amigo e conhecido.
O comandante do NRP Alvares Cabral condescendeu e deixou-nos entrar, não sem antes recomendar que tivéssemos cuidado com os helicópteros.


Na amarração lá estava o Tobias a cobrar o serviço. Desta vez ficou só por quinze garrafões  do La Rose e vinte quilos de enchidos de Montalegre, os melhores. Mas antes isso que perder toda a carga ingloriamente.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Uma Operação de Busca e Salvamento



Para receber uma carga de Alvarinho em Viana, uns bons hectolitros dele,  e o transportar no meu graneleiro até Casablanca, desloquei-me com a minha tripulação à linda cidade minhota, aproveitando para malhar um robalinho cozido na Mariana, um dos melhores restaurantes do Universo, quiçá mesmo um dos melhores restaurantes portugueses.

Um dos fregueses habituais do Mariana era o grande escritor Jorge Amado, brasileiro com família por aqueles lados e que, por um acaso do destino, lá estava na sua mesa ao canto.
Conhecedor da fama de grande marinheiro que me antecedia, Jorge fez questão de me conhecer e almoçou comigo.

Ficou contente de ouvir a minha história, fartou-se tomar notas das minhas aventuras, dos meus naufrágios, dos meus ataques de piratas e, sobretudo, do episódio em que amarrei o cargueiro onde navegava à época com todas as amarras disponíveis, numa arribada a um porto asiático. Nessa noite gozaram comigo como se não houvesse amanhã mas, quando um tufão atingiu aquele porto e só o meu cargueiro não soçobrou, viram todos quão grande marinheiro eu era, e sou.

O Jorge adorou a saga e prometeu escrever a minha biografia.


Largamos de Viana de manhã cedinho com Mar de azeite, proa a Sul e uns dez nós de velocidade de cruzeiro, o que representava pouco mais de metade da capacidade do Neptuno, o meu graneleiro lindo, carregadinho de branco Alvarinho, delicioso.
Por volta de Vila do Conde ouvimos no rádio um pungente pedido de socorro, um May Day sofrido, que passo a reproduzir:
May Day May Day May Day, Mãe Puríssima Mãe Puríssima Mãe Puríssima, Posição ... (perdoem me não aqui a divulgar) agua aberta, nove pessoas a bordo, duas com pernas partidas, uma com um panarício e outra com uma unha encravada, pedimos assistência urgente.
O Mãe Puríssima estava na nossa proa, pelo que iniciei de imediato as manobras para chegar rapidamente à embarcação em perigo.
Pego no rádio e transmito:
Aqui NEPTUNO, graneleiro português na vossa rota, tenham calma, já vamos a caminho.
Mas ouvimos no rádio de seguida:
Aqui Centro de Busca e Salvamento de Vila do Conde, já temos em vosso auxilio  duas corvetas, um helicóptero, um pneumático e o banheiro de Vila do Conde que insistiu em  participar e vai a nado..

Mas o Mãe Puríssima insiste:
May Day May Day, Temos apenas duas horas   antes de naufragar, um dos panarícios piorou, a unha encravada  caiu e eu estou cheio de sede (era o Mestre que falava)

Chamei o imediato, a situação era deveras grave, mandei pôr a máquina a toda a força.

E no rádio disse de seguida: Pessoal, tenham calma, dentro de meia hora, talvez menos, estamos aí.

Espanto, no rádio ouviu se então:

Aqui Centro de Busca e Salvamento de Via do Conde, isto é um simulacro, sigam o vosso caminho.


Filhos da puta bradei, então isto é assim? Não avisam, não dizem nada a ninguém  e dão me cabo do coração com estas merdas?!!!

Pego no rádio e começo a insultá-los, evoquei  um Silence May Day, chamei-lhe aldrabões, chuis, funcionários de partido politico, azeiteiros e, pior, membros do governo.

Esta os tipos não gostaram e enviaram contra o meu graneleiro uma das corvetas e o banheiro de Vila do Conde que continuava a nado atrás da corveta.
Ordem de prisão, que na Marinha Portuguesa é uma coisa séria e eis nos sob escolta obrigados a rumar a Leça, que o Neptuno não entrava em Vila do Conde.

Íamos todos ficar nos calabouços da Capitania, não fosse o Mestre da Mãe Puríssima ser o Tobias, que participava no simulacro e era amicíssimo  do Almirante que coordenava as operações.

Safou-nos  então o Mestre Tobias, mas a brincadeira custou-me metade da carga do Alvarinho que transportava e toda a reserva de papas de sarrabulho que adquirira em Ponte de Lima no restaurante Encanada e que guardava religiosamente para a merenda.